11.7.13

A paixão segundo o Salão de Jogos

-->

Salões de jogos, lembro-me deles antes de terem sido mortos numa rixa com as consolas.

Não eram bonitos, as nossas mães não gostavam deles, mas foi aí que muitos descobriram algumas paixões.



Para além dos óbvios snookers, matraquilhos e grandes êxitos de arcade, para mim havia sempre uma máquina não tão atraente que despertava a minha atenção. E quando assim era, paradoxalmente só descansava quando acabava com ela.



Os meus amigos não percebiam, mas cada qual tinha também a sua favorita entre as máquinas de médio sucesso, sem que eu também percebesse o porquê dessa atracção. Eram coisas de putos e das suas relações com máquinas.



No meu caso, durante muitos meses, o seu nome foi Cadillacs& Dinosaurs, no papel do tipo aqui no centro do screenshot. Obviamente, um gajo como eu tinha que gerar afinidade com um mitra de boné chamado Mustapha.





Depois de muita chapa gasta, de skills adquiridos e truques descobertos, foi num dia de grande inspiração (e aldrabando dois gajos para jogarem em cooperação comigo a meio de níveis difíceis em que basicamente serviram de carne para canhão) que cheguei ao fim da máquina.



Estive quase para fumar um cigarro, mas achei que não valia celebrar o fim de um vício inaugurando outro. Dei apenas um abraço ao tipo que trocava moedas no salão e saí. O dia cheirava a novos começos e eu a frango assado (o tipo das moedas também fazia um part-time numa churrasqueira).

Sou obrigado a referir que, talvez não tanto como o Gado Amarrado, mas também paguei várias vezes para estar com esta mulher de cabelo laranja.



3 comentários:

  1. Pimball Action... Bem feitas as contas, devo ter gasto nessa máquina o suficiente para comprar uma DT LC 50.

    ResponderEliminar
  2. O único jogo arcade que acabei foi o Street Fighter II. Com o Guile. Não me lembro se com uma ou duas moedas, mas foi relativamente rápido. E se tivesse apanhado o NBA JAM em máquina acho que também tinha acabado aquilo. Rebentava com toda a gente no Mega Drive, just sayin'.

    Nota só que os salões de jogos não desapareceram, passaram a estar é escondidos. Ou pelo menos é o que diz a lenda.

    E se alguém aqui ainda não viu o The King of Kong - http://www.rottentomatoes.com/m/king_of_kong/ - está na altura!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu o Street Fighter acabei com o Bison, cujos special moves eram tão fortes que depois de os dominares, a coisa passava a ser fácil.

      E havia o NBA Jam em máquina, com um esquema bonito que te obrigava a pagar por cada jogo que fazias, mesmo que o ganhasses. Graças a uma falcatrua consegui chegar bem longe nesse jogo (e em máquina a coisa tinha um toque que a versão Megadrive só replicava muito ao de longe).

      Tenho de ver esse Kong, até porque é mais provável conseguir fazê-lo do que encontrar um salão em condições nos dias de hoje.

      Eliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.